Adega

A tecnologia, por si só, não é suficiente para elaborar um grande vinho. Mesmo a melhor equipa, sem as ferramentas adequadas e com um grande terroir  à disposição, se vê confrontada com algumas dificuldades. Por este motivo, decidimos construir, em 2005, uma nova adega na Romaneira. Para Christian Seely e António Agrellos, esta era a oportunidade de concretizar um sonho antigo: Construir de raiz, no Douro, a adega ideal. Muitas das actuais adegas da região remontam aos séculos XVII e XVIII e estão longe de ser perfeitas, porque, apesar de pitorescas, não são práticas. Na Romaneira optou-se por cavar um grande buraco no chão e, de seguida, construir a adega. Dois terços da nova Adega estão no subsolo, tornando-a esteticamente inovadora e muito prática, em termos de trabalho e armazenamento de vinhos, dado que estes dispõem de condições mais estáveis e temperaturas mais frescas.

Os lagares são feitos em aço inoxidável, contribuindo para um melhor controlo da temperatura durante a fermentação, ao mesmo tempo que torna possível continuar a beneficiar da pisa tradicional na produção do Vinho do Porto.

A adega, constituída por cubas tronco-cónicas de aço inoxidável equipadas com controlo de temperatura, permite flexibilizar os procedimentos de forma a exprimir em toda a sua essência a personalidade das vinhas da Romaneira.